Categorias
Poesia

A vida entrelinhas

É incrível como em várias situações da vida nos tornamos cegos a certas coisas.

 

Vemos o que queremos ver, sabemos o que queremos saber e tudo o mais toma uma importância tão mínima que quase desaparece da nossa memória.

 

É assim que muitas pessoas toleram situações que, se assim não fosse, se tornariam insuportáveis.

 

Mas como todas as moedas têm dois lados, nem sempre ignorar os fatos nos ajuda a melhor viver.

Precisamos saber reconhecer o que está nas entrelinhas da vida, buscar a honestidade relacionada a uma situação, uma pessoa, a si mesmo, à própria vida.

 

Se nos cegamos voluntariamente a algo importante, o fardo não se torna mais leve. Apenas fugimos para lugar nenhum.

 

O facto de não vermos um problema não o torna inexistente e, sejamos francos, não nos machuca menos.Quantas e quantas vezes sentimos que algo nos incomoda, vivemos num mal-estar quase constante e continuamos a prosseguir!… Se procurarmos ver um pouco mais profundamente, honestamente e sem medo, com ou sem ajuda, encontraremos a raiz do mal. Fazer face à certas coisas poderá provocar muitas lágrimas.

 

Mas lágrimas benditas, que nos ajudarão a evacuar a dor e provocarão o profundo suspiro de alívio depois de algum tempo. Eu sei que não é fácil abrir o coração, escancarar a alma e resolver tudo como num passe de mágica.

 

Sei que não é de uma hora pra outra que tudo se torna claro e visível. E é para isso que existe o tempo. Porém a porta do querer saber deve ser aberta por nós.

 

Depois outras portas se abrirão, devagarinho, até a última, que nos mostrará a luz do dia, nos dirá que a vida é bela, apesar de tudo o que vivemos ou tivemos que passar. Nos possíveis e impossíveis da vida, muito está nas nossas mãos.

 

Jesus disse: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.”

 

A melhor maneira de ler as entrelinhas da vida é com os olhos fechados em oração e súplica. Àquele que cuida de nós nos mínimos detalhes e que, para nos dar exemplo, foi como nós, carregou um fardo e também chorou.

 

Letícia Thompson

Mensagem Postada 22/1/2011