Categorias
Poesia

De igual para igual

Um dia talvez sejamos grandes o bastante para que Deus se orgulhe de nós. Mas ainda temos um longo caminho pela frente. Um longo caminho… mas Ele não está preocupado se estamos errando ou acertando, Ele olha nosso coração e vê o quanto estamos tentando. Isso conta muito, muito mesmo.

Olho para o mundo e olho para mim mesma e percebo o quanto erramos querendo acertar. Ajustamos nossos comportamentos e atitudes ao que vemos e ressentimos e procuramos ser diferente. E mesmo sendo diferentes, acabamos sendo iguais, ou piores, se possível for. Uma pessoa que trata outra com descaso porque assim é tratada, que trai porque se sente traída ou fere porque se sente ferida, não é melhor que a outra pessoa. Ela é exatamente igual na pobreza de sentimentos. Ser grande mesmo é ser superior ao negativo que existe no mundo, é, como a bíblia diz, tratar bem quem nos faz mal e ajuntar brasas à sua cabeça.

 

Devemos aprender a derreter o gelo da indiferença com o calor da nossa alma e do nosso amor. Provavelmente não estaremos mudando o mundo, mas mudaremos com toda a certeza o olhar de muitos sobre nós. E o olhar de Deus conta muito e muito!!!

 

Aqui vai um pouco de leitura e reflexão para hoje:

 

De igual para igual

 

© Letícia Thompson

 

Não existem dois seres humanos absolutamente iguais. Não existem dois seres humanos que amam absolutamente igual ou odeiam de igual maneira. E todos querem ir além, atravessar as barreiras da vida e sobreviver para fazer a diferença no mundo.

 

Só que às vezes nesse desejo de ir além, mostrar quem somos e do que somos capazes, pecamos com nossas atitudes que produzem efeito contrário daquilo que esperamos.

 

Quando rebatemos um comportamento negativo com outro comportamento negativo somente para dar o troco, não só não mudamos a situação, como nos colocamos no mesmo nível daquela pessoa. Quando trocamos o ódio pelo ódio, a indiferença pela indiferença, o desprezo pelo desprezo, a vingança pela vingança, não mudamos nada no positivo, apenas contribuímos para que o mundo continue no caos que está.

 

Há pessoas que não falam porque não falam com elas, não abraçam porque não são abraçadas, não beijam porque não as beijam e não amam simplesmente porque não se sentem amadas. Há os que ferem voluntariamente porque se sentem feridos e depois querem ver a situação mudada.

 

Será que ainda não compreenderam que se o amor gera o amor, o ódio gera o ódio? O amor pode superar todas as coisas, mas o ódio só pode superar o ódio para causar a destruição.

 

Precisamos amar as pessoas mesmo se elas não nos amam, porque as amamos independente delas, porque colocamos para fora aquilo que existe dentro de nós. Precisamos fazer a diferença sendo diferentes e se devemos buscar um sentimento de igualdade, que seja então no amor, na compreensão, no entendimento.

 

Mesmo se não conseguimos esquecer uma mágoa que deixou cicatrizes no nosso coração e se as sombras do passado voltam com insistência, podemos produzir em nós o antídoto que conduzirá à nossa cura.

 

Um jardim que produz ervas daninhas continuará produzindo e será todo tomado se o jardineiro não tiver o cuidado de arrancar e jogar fora de vez em quando.

 

O ódio, vingança, sentimento de desprezo, são sentimentos que nos maltratam mais que a qualquer outra pessoa que convive conosco. E elas afastam de nós as outras pessoas.

 

Aqueles que querem ser amados devem produzir o amor. Eles devem respirar e transpirar o amor. Esses terão em torno de si aquela aura de paz que os tornarão únicos, especiais e inconfundíveis.

 

 

Que o Deus-Pai compreenda e preencha seus corações de paz! Tenham uma linda tarde cheia de serenidade, uma noite estrelada e bela! Um abraço bem forte e bem carinhoso!

 

Letícia

Mensagem Postada 27/2/2011