Categorias
Poesia

Muito além das aparências…

Nos preocupamos pouco com o que as pessoas são na realidade, se vemos como estão. Mas vamos todos muito, muito além das nossas aparências. Ninguém percebe nosso coração agitado e nem por isso ele bate menos forte. Ninguém pinta ou desenha o amor ou o medo, mas eles existem. Ninguém dá cor à esperança e, no entanto, ela colore e dá razão aos nossos dias. Existimos, mesmo se invisíveis aos olhos dos que nos cercam. Choramos por dentro, mesmo se o que as pessoas vêem é uma capa do que elas mesmas gostariam de ver.
As pessoas se interessam pouco pelas outras. Ou poucas se interessam verdadeiramente. Nem sempre é necessário que palavras sejam ditas, elas saem de qualquer modo. Mas quando as pessoas olham nos olhos dos que conversam com elas, que elas procuram ver o que vai além do que parece… Ah! Como isso aproxima, acalenta, encurta distâncias! Como isso abraça, mesmo sem braços enlaçando! E nessas horas, mesmo se somos pequenos, nos sentimos gigantes e somos capazes de enfrentar o mundo.

 

Hoje meu texto tem esse título: Muito além das aparências… Um pouco de reflexão para todos nós:

 

 

Não… quem vê cara não vê coração, nem a alma, nem a solidão ou o desespero escondidos atrás de sorrisos ou gestos. Não que essas coisas não sejam transparentes, mas o que as outras pessoas gostam mesmo são das evidências. Para elas, se sorrimos, é evidente que estamos felizes e não há razão para ir além. As pessoas se esquecem simplesmente que existimos além, muito além das aparências. Se você diz que está triste, seus verdadeiros amigos vão querer saber por quê, vão se interessar. Talvez antes que você pronuncie uma palavra eles já notaram, por que te conhecem o suficiente. Mas em geral cada qual já tem suas próprias preocupações, legítimas ou não, para querer saber o que se passa dentro de um coração fechado. Diz-se “como vai você” ou “tudo bom” mais por educação do que por interesse em saber realmente como o outro vai. Faz parte do palco da vida onde cada qual representa seu papel. E quando as cortinas se fecham, fecha-se também o mundo em torno de si. Pessoas sentem-se sozinhas, choram sozinhas e oram em silêncio para que a solidão faça uma viagem para bem longe… Todo mundo parece tão preocupado com sua busca de felicidade, seu par perfeito, suas realizações… suas! Olhássemos nós um pouquinho mais para o lado e veríamos que não pode haver felicidade, ou perfeição, ou realizações se temos tudo, se conseguimos tudo, mas não conquistamos verdadeiramente um coração. As pessoas existem além das aparências, elas amam além das aparências, elas sofrem além das aparências. Elas são, simplesmente. A gente aprende muitas coisas na vida, mas pouco aprendemos sobre olhar. Olhar dentro, pra dentro… fotografar em si as necessidades alheias e tentar supri-las com um interesse verdadeiro. A superfície engana tanto e tanto! Mas ninguém disfarça um olhar que brilha ou que chora. Existiria menos egoísmo e menos solidão se olhássemos mais nos olhos das pessoas, se compreendêssemos que para elas muitas vezes mais importante que um pedaço de pão é um pouco da nossa atenção.

Mensagem Postada 21/2/2008